Juízo Final Blog

Crise Mundial: 2012 – O ano da grande perturbação geopolítica mundial

Posted in Crise, Fim do Dólar, Fim do Euro, Nova Ordem Mundial by Blog Juízo Final on 19/01/2012

https://i2.wp.com/www.le-buzz-immobilier.com/wp-content/uploads/2009/05/crise-mondiale2.jpg

Com este GEAB Nº 61 completar-se-ão seis anos que a cada mês a equipe do LEAP/E2020 compartilha com os seus assinantes e os leitores do seu comunicado público mensal suas antecipações sobre a evolução da crise sistémica global. E pela primeira vez, por ocasião do número de Janeiro que apresenta uma síntese das nossas antecipações para o ano que decorrerá, nossa equipe antecipa um ano que não se traduzirá unicamente por um agravamento da crise mundial mas que será também caracterizado pela emergência dos primeiros elementos construtivos do “mundo após a crise”, para retomar a expressão de Franck Biancheri no seu livro “Crise mundial: A caminho do mundo de amanhã” .

Segundo o LEAP/E2020, 2012 será com efeito o ano da grande perturbação geopolítica mundial: um fenômeno que será sem qualquer dúvida portador de graves dificuldades para grande parte do planeta mas que permitirá igualmente a emergência das condições geopolíticas propícias a uma melhoria da situação nos próximos anos. Ao contrário dos anos anteriores, 2012 não será um ano “perdido”, preso ao “mundo de antes da crise”, por falta de audácia, de iniciativa e de imaginação por parte dos dirigentes mundiais e pela grande passividade dos povos desde o princípio da crise.

Havíamos qualificado 2011 como o ano implacável pois fez explodir em estilhaços as ilusões de todos aqueles que pensavam que a crise estava sob controle e iam poder retomar seus “pequenos negócios quotidianos” como no passado. E 2011 foi implacável para numerosos dirigentes políticos, para o sector financeiro, para os investidores, para as dívidas ocidentais, para o crescimento mundial, para a economia dos EUA e para a ausência de governação da Eurolândia. Aqueles que se acreditavam intocáveis ou inamovíveis descobriram brutalmente que a crise não poupava nada nem ninguém. Esta tendência vai certamente prosseguir em 2012 pois a crise não respeita tão pouco o corte do calendário gregoriano. Os últimos “intocáveis” vão experimentar: Estados Unidos, Reino Unido, dólar, títulos do tesouro, dirigentes russos e chineses, etc… [1] Mas 2012 verá igualmente afirmarem-se, sobretudo no seu segundo semestre, as forças e os actores que permitirão em 2013 e nos anos seguintes começar a reconstruir um novo sistema internacional, reflectindo expectativas e relações de força do século XXI e não mais as dos meados do século XX. Quanto a isto, 2012 vai ser o ano da grande perturbação com a transição entre o mundo de ontem e o de amanhã. Como ano de transição, será uma mescla entre o pior [2] e o melhor. Mas, ainda assim, segundo a nossa equipe, será o primeiro ano construtivo desde 2006 [3] .

Neste GEAB Nº 61 apresentamos igualmente os 35 temas/acontecimentos, que são também recomendações, que antecipamos caracterizarem o ano de 2012: 20 temas em alta e 15 temas em baixa. Esta lista pode muito concretamente ajudar o leitor do GEAB a preparar-se para o decorrer. Reduzir o tempo perdido em ler artigos sobre assuntos que já são secundários em termos de impacto sobre o rumo dos acontecimentos, ou ao contrário aproveitar o tempo para aprofundar temas que amanhã estarão no cerne das próximas evoluções, não se deixar apanhar de surpresa pelas grandes evoluções do ano que vem, é para isso que serve esta lista dos 35 “Up and Down” de 2012. Com uma percentagem de êxito que varia entre 75% e 85% nos últimos seis anos, esta antecipação anual é portanto uma ferramenta de ajuda à decisão particularmente concreta para os próximos doze meses.

Por outro lado, neste GEAB Nº 61 a nossa equipe analisa em profundidade a natureza e as consequências de uma possível QE3 que a Reserva Federal dos EUA lançasse em 2012 [4] . Esperada por uns, temida por outros, a QE3 geralmente é apresentada como a arma final para salvar a economia e o sistema financeiro dos EUA que, ao contrário do discurso dominante nestas últimas semanas, continuam a degradar-se [5] . Que o Fed se lance ou não no QE3, isto será sem qualquer dúvida o grande acontecimento financeiro de 2012 cujas consequências marcarão definitivamente o sistema financeiro e monetário mundial. Este GEAB Nº 61 vos permitirá fazer uma ideia precisa acerca da questão.

https://i2.wp.com/www.resistir.info/crise/imagens/geab_61_1.jpg

O QE3 desempenhará um papel determinante na grande perturbação geopolítica mundial de 2012 pois este ano vera nomeadamente as últimas tentativas das potências dominante do mundo-anterior-à-crise de manter o seu poder global, quer em matéria estratégica, económica ou financeira. Quando utilizamos o termo “últimas” estamos a querer sublinhar que após 2012 a sua potência estará demasiado enfraquecida para ainda poderem pretender manter esta situação privilegiada. A recente degradação da maior parte dos países da Eurolândia pelo S&P é um exemplo típico destas tentativas de última instância: pressionados pela Wall Street e pela City, e devido às suas necessidades insaciáveis de financiamento [6] , os Estados Unidos e o Reino Unido chegaram ao ponto de empreenderem uma guerra financeira aberta contra os seus últimos aliados, os europeus. Trata-se de suicídio político pois esta atitude obriga a Eurolândia a reforçar-se integrando-se cada vez mais e dissociando-se dos Estados Unidos e do Reino Unido; enquanto a imensa maioria dos dirigentes e das populações da zona euro compreenderam finalmente que havia uma transatlântica e trans-Canal da Mancha contra si [7] . A este respeito, o LEAP/E2020 apresentará suas antecipações “Europa 2012-2016″ no GEAB Nº 62 que aparecerá em 15 de Fevereiro de 2012.

https://i0.wp.com/www.resistir.info/crise/imagens/geab_61_2.jpg

Num outro registo, as tentativas de criar uma “pequena guerra fria” com a China ou de estender uma armadilha ao Irão sobre a questão da livre circulação no Estreito de Ormuz decorrem do mesmo reflexo [8] . Voltaremos ao assunto com mais pormenores neste GEAB Nº 61.

A grande perturbação de 2012 é também a dos povos. Pois 2012 também será o ano da cólera dos povos. É o ano em que eles vão entrar maciçamente na cena da crise sistémica global. O ano de 2011 terá sido um “pré aquecimento” em que pioneiros terão testado métodos e estratégias. Em 2012 os povos irão afirmar-se como as forças motivadoras das grandes perturbações que vão marcar este ano charneira. Eles o farão de maneira pró activa porque criarão as condições para mudanças políticas decisivas via eleições (como será o caso em França com a expulsão de Nicolas Sarkozy [9] ) ou via manifestações maciças (Estados Unidos, Mundo Árabe, Reino Unido, Rússia). E também o farão de maneira mais passiva gerando o temor junto aos seus dirigentes, obrigando-os a uma atitude “preventiva” para evitar um grande choque político (como será o caso na China [10] ou em vários países europeus). Em ambos os casos, seja o que for que pensem as elites dos países afectados, é um fenómeno construtivo pois nada de importante nem de duradouro pode emergir desta crise se os povos nela não se envolverem [11] .

A grande perturbação de 2012 será ainda o colapso acelerado do poder dos bancos e das instituições financeiras ocidentais, uma realidade que descrevemos neste GEAB contrariando o discurso populista actual, o qual esquece que o céu estrelado que contemplamos é uma imagem de uma realidade desaparecida desde há muito. A crise é uma aceleração tal da História que muitos ainda não compreenderam que o poder dos bancos com que se inquietam é aquele que eles tinham antes de 2008. É um assunto que pormenorizamos neste número do GEAB. Ao mesmo tempo, continua-se a ver os investidores fugirem das bolsas e dos activos financeiros, nomeadamente nos EUA [12]

https://i2.wp.com/www.resistir.info/crise/imagens/geab_61_3.jpg

E a grande comoção será também a chegada do BRICs à maturidade. Após cinco anos de ensaios e experimentações, em 2012 eles vão começar a pesar fortemente e pró activamente nas decisões internacionais [13] . Eles constituem sem qualquer dúvida um dos actores essenciais para a emergência do mundo pós crise. E um actor que, ao contrário dos Estados Unidos e do Reino Unido, sabe que o seu interesse é ajudar a Eurolândia a atravessar esta crise [14] .

Com uma Eurolândia estabilizada e dotada de uma governação sólida, o fim de 2012 apresentar-se-á portanto como uma primeira oportunidade de fundar as bases de um mundo cujas raízes já não mergulharão mais no pós Segunda Guerra Mundial. Ironicamente, é provavelmente a cimeira do G20 de Moscovo, em 2013, a primeira a efectuar-se fora do campo ocidental, que concretizará as promessas da segunda metade de 2012.

Notas:

(1) E o folhetim da crise das dívidas europeias até o fim do primeiro semestre de 2012. O ano será muito difícil também para a Eurolândia como o mostram os cenários preparados pelo OFCE . Mas ela se demonstrará claramente menos difícil que o antecipado hoje pelos peritos e media financeiros pois eles subestimam, por um lado os progressos feitos em matéria de governação da Eurolândia que vão trazer os seus frutos no segundo semestre de 2012 e, por outro, a mudança de contexto psicológico uma vez que a atenção do mundo será transferida para os problemas americanos e britânicos. A este respeito, eis um novo exemplo de desinformação sobre o Euro publicado por MarketWatch em 09/01/2012: o editorialista David Marsh tenta fazer acreditar a ideia de que a eleição presidencial francesa da Primavera de 2012 será uma outra má notícia para o Euro, afirmando explicitamente que François Hollande é um eurocéptico! Como toda a gente sabe em França, François Hollande é, pelo contrário, um pró europeu e pró Euro convicto, o que não deixa senão duas pessoas quanto ao MarketWatch/Marsh: ou eles não sabem do que falam, ou mentem deliberadamente. Em ambos os casos, isso esclarece o valor das opiniões da grande imprensa financeira dos EUA sobre o Euro e seu futuro. Aqueles que os seguem perderão muito dinheiro! Ainda no que se refere à Eurolândia, a Spiegel de 03/01/2012 apresenta um mergulho interessante no funcionamento do Merkozysmo que mostra quanto os dois países estão em vias de ligar definitivamente seus destinos: uma evolução que será acelerada após a eleição de François Hollande que não terá, como Sarkozy, um pé na Eurolândia e outro pé em Washington.

(2) Em particular um prosseguimento da subida generalizada do desemprego. Fonte: Tribune , 31/10/2011

(3) Um toque poético permite ilustrar nossa abordagem da matéria, a qual segue a metodologia de antecipação política descrita no “Manuel d’Anticipation Politique” de Mari-Hélène Caillol, presidente do LEAP. O que é preciso notar no solestício de Inverno? Que ele assinala o centro do Inverno porque os dias nessa altura são mais curtos? Ou que anuncia a Primavera porque a partir desta data os dias se prolongam? As duas respostas são correctas. Mas a primeira não diz grande coisa sobre o futuro senão que vai continuar a fazer sombra e provavelmente frio durante um certo tempo; é uma fotografia, uma análise estática. A segunda resposta em contrapartida conduz o olhar para um futuro mais longínquo e sublinha a existência de um processo em curso que vai conduzir a mudanças em termos de duração do dia e talvez de temperatura; é uma visão dinâmica dos acontecimentos. A metodologia de antecipação política tem doravante o seu lugar no debate científico uma vez que Marie-Hélène Caillol foi convidada a contribuir para um número dedicado especialmente à antecipação (Volume 41, nº 1, 2012) (coordenado pelo professor Mihai Nadin) da revista científica americana “The International Journal of General Systems” (Francis & Taylor), um periódico multidisciplinar consagrado à publicação de trabalhos de investigação originais em ciências dos sistemas, fundamentais e aplicadas. O artigo que resultou desta colaboração intitula-se: “Antecipação política: observar e compreender as tendências sócio-económicas globais a fim de guiar os processos de tomada de decisão”.

(4) As recentes publicações das minutas dos debates do Fed em 2006 ilustram perfeitamente uma das nossas hipóteses de trabalho: os responsáveis de um sistema complexo geralmente são incapazes de perceber o momento em que ele vai mergulhar na crise ou no caos. Foi o caso de Alan Greenspan, Thimothy Geithner e colaboradores em 2006. É o caso dos mestres da City, da Wall Street ou de Washington em 2012. Aliás, trata-se das mesmas pessoas para um certo número deles. Fonte: New York Times , 12/01/2012

(5) A degradação da situação dos EUA produz-se apesar da vontade de escondê-la por parte dos media dominantes e das agências de classificação; ao passo que na Eurolândia a situação não se degrada tanto quanto estes mesmos media e agências desejariam fazer crer. Com o decorrer do tempo, os resultados não deixam dúvidas. No que se refere à degradação económica estado-unidense, basta constatar o colapso dos lucros bancários, do consumo (os anúncios atroadores sobre as festas deram lugares números bem medíocres), o encerramento ou a falência contínua de redes de retalhistas, a manutenção do desemprego em taxas históricas, o problema crescente do pagamento dos aposentados, o colapso dos orçamentos das grandes universidades públicas, … Fontes: YahooNews , 12/01/201; Bloomberg , 12/01/2012; USAToday, 12/01/2012; CNBC , 28/12/2011; Washington Post , 27/12/2011

(6) Como mostra o quadro abaixo, com endividamento de 900% do PIB o Reino Unido é como um animal preso na armadilha da dívida. E devido ao peso gigantesco da dívida do sector financeiro britânico, ele está condenado a tentar por todos os meios obrigar a Eurolândia a pagar as dívidas da Grécia, etc… O desconto das dívidas públicas ocidentais é uma bazuca apontada ao coração do Reino Unido, a City. Fonte: Guardian , 01/01/2012

(7) Tanto melhor pois não há nada pior que estar em guerra sem o sabe, como escreveu a respeito Franck Biancheri na sua conta Twitter que comenta a campanha presidencial francesa. twitter.com/Fbiancheri2012 .

(8) A Rússia já optou por desenvolver o seu comércio com o Irão em rublos e rials, eliminando o US dólar das transacções entre os dois países. Quanto à Europa, ela gesticula sob pressão dos EUA, mas acabará por não fazer grande coisa em matéria de embargo porque daqui até Junho (nova data para tomar uma decisão), o mapa político terá mudado muito. Fontes: Bloomberg , 07/01/2012; Le Monde , 09/01/2012

(9) O que a propósito recolocará a França na sua lógica histórica “gaullista-europeia” ao invés da ancoragem ocidentalista encarnada pelo parênteses Sarkozy. Fonte: Le Monde , 11/01/2012

(10) Na China, segundo o LEAP/E2020, o risco de uma grande explosão popular encontra-se no cruzamento de uma situação económica tensa (não será o caso em 2012 – ver neste GEAB nº 61) e de um grande acidente de saúde pública; muito mais do que num contexto directamente político.

(11) O anúncio pelos Irmãos Muçulmanos egípcios de que submeterão a referendo o tratado de paz com Israel pertence a esta mesma tendência. Fonte: Haaretz , 02/01/2012

(12) Fonte: CNBC , 06/01/2012

(13) Os dirigentes chineses por exemplo parecem mais determinados do que nunca a seguir o caminho que consideram o melhor (nele incluído a conquista espacial, símbolo por excelência de liderança), rejeitando as pressões externas. Fonte: Caixin , 04/01/2012; ChinaDaily , 30/12/2011; NewYorkTimes , 29/12/2012

(14) Fonte: 20Minutes/Suisse , 08/01/2012

por GEAB 15/Janeiro/2012

O original encontra-se em www.leap2020.eu/…

Este comunicado encontra-se em http://resistir.info/ .

Anúncios

2 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. joão said, on 19/07/2012 at 10:55

    na verdade com tudo isso, é que o caminho esta sendo criado para um governo único, como mateus 24
    surgira um dizendo e prometendo a paz global entre finanças e nações,,te preparem o nações……………………….o anticristo na verdade surgirá do meio politico, não tem como saber com exatidão á aparência dele, mas que vai surgir a si vai.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: