Juízo Final Blog

Nova Ordem Mudial: Google planeja acabar com a internet nos EUA

Posted in 3ª Guerra Mundial, Anticristo, Crise, Nova Ordem Mundial by Blog Juízo Final on 26/08/2010

Paul Joseph Watson
Prison Planet.com
Quinta-feira, 19 de agosto de 2010

O acordo para o fim da neutralidade da internet do Google com a Verizon é apenas o início dos planos do Google para exterminar a Internet aberta e livre como parte de sua agenda pública de aquisição para controlar completamente a world wide web e terminar de uma vez por todas os sites de mídia independente, rádios e programas de TV.

O acordo do Google com a Verizon para acelerar certos conteúdos da Internet aos usuários abre a porta para a esterilização completa da rede mundial de computadores como uma força de mudança política. Segundo o plano do Google, a internet se assemelharia a TV a cabo, vozes independentes seriam silenciadas e toda a Internet seria comprada por gigantes de mídia multi-nacionais.

As pessoas que quiserem manter um simples blog enfrentarão preços proibitivos, TV on-line e programas de rádio deixarão de existir enquanto a internet é engolida pela mídia corporativa.

A verdadeira neutralidade da internet significa que sites de mídia independente que atraem sua audiência divulgando a verdade podem competir competir de igual para igual com os gigantes corporativos, como a ABC, CBS e CNN. O pacto da Google com a Verizon irá acabar com esta igualdade e por sua vez, eliminar tudo o que está fora do mainstream.

“A Internet não-neutra significa que empresas como a AT&T, Comcast, Verizon e Google podem transformar a internet em TV a cabo e escolher os vencedores e perdedores do mundo online”, escreve Josh Silver. “Um problema apenas para os nerds da Internet? Muito pelo contrário. Todos os vídeos, rádio, telefone e outros serviços em breve serão entregues através de uma conexão Internet. Acabar com a neutralidade da internet acabaria com o potencial revolucionário de qualquer site pode funcionar como uma televisão ou uma rádio na rede. Isso significaria o fim da nossa oportunidade de arrancar o acesso ea distribuição de conteúdo de mídia de um punhado de corporações de mídia de massa que atualmente controlam a televisão e o rádio. “

O acordo também vai dividir a Internet em um sistema de duas camadas, um forma de pedágio digital, onde a velocidade e serviços satisfatórios podem apenas ser obtidos por aqueles dispostos a pagar taxas substanciais.

O pacto também dá ao Google e provedores de internet uma enorme margem para bloquear determinados sites em redes para celulares, ou seja, vários sites independentes, como este blog, seriam desligados para milhões de pessoas.

Uma vez que os críticos do Google forem silenciados para sempre a empresa poderá então levar a cabo a implementação de seus programa apoiado pela CIA de de conscientização total da informação, que irá vasculhar contas de Twitter, blogs e sites de todos os tipos de informações deixadas por usuários individuais, com o objetivo de utilizar esses dados para “prever o futuro” e dirigir e controlar completamente a vida e o comportamento das pessoas.

Eric Schmidt, o CEO do Google, anunciou que o Google, em conjunto com a CIA, está programado para se tornar um verdadeiro Big Brother e que a entidade “vai saber tanto sobre seus usuários que o site de busca será capaz de ajudá-los a planejar suas vidas” através do constante monitoramento de sua localização através dos celulares e dizendo-lhes para onde ir e o que fazer.

A muito tempo tem-se reportado as íntimas e longas conexões do Google com as redes de espionagem do governo americano.

Também não há dúvida de que o Google é uma das empresas na vanguarda do esforço do governo para usar a segurança cibernética como um pretexto para acabar com a Internet livre, tendo anteriormente trabalhado com a NSA e da CIA.

O recente escândalo com o Google no qual os veículos que tiram fotos para o google street acessavam os detalhes das redes wi-fi mapeando as atividades online levantou sérias questões sobre ligações do google com serviços de inteligência e sobre o abuso de leis de privacidade.

[Nota: Vamos ver quanto tempo levará para que um acordo equivalente seja feito para o Brasil.]

Referências:
Infowars: Google Plans To Kill Web In Internet Takeover Agenda
Google-Verizon Deal: The End of The Internet as We Know It
Telegraph: Young will have to change names to escape ‘cyber past’ warns Google’s Eric Schmidt
BBC: Google and Verizon outline vision for ‘open internet’

Tradução: http://www.anovaordemmundial.com/2010/08/google-planeja-acabar-com-internet-nos.html

Anúncios

Reflexão: A respeito de coisas que eu não posso deixar de saber

Posted in Reflexão by Blog Juízo Final on 16/08/2010

por Ed René Kivitz

Você sabia que foi apenas no ano 190 d.C. que a palavra grega ekklesia, que traduzimos como igreja, foi pela primeira vez utilizada para se referir a um lugar de reuniões dos cristãos? Sabia também que esse lugar de reuniões era uma casa, e não um templo, já que os templos cristãos surgiram apenas no século IV, após a conversão de Constantino?

Você sabia que os cristãos não chamavam seus lugares de reuniões de templos até pelo menos o século V?

Você sabia que o primeiro templo cristão começou a ser construído por Constantino, sob influência de sua mãe Helena, em 327 d.C., às custas de recursos públicos, e sua arquitetura seguia o modelo das basílicas, as sedes governamentais da Grécia e, posteriormente, de Roma, e dos templos pagãos da Síria?

Você sabia que as basílicas cristãs foram construídas com uma plataforma elevada acima do nível da congregação e que no centro da plataforma figurava o altar, e à sua frente a cadeira do Bispo, que era chamada de cátedra?

Você sabia que o termo ex cathedra significa “desde o trono”, numa alusão ao trono do juiz romano, e, por conseguinte, era o lugar mais privilegiado e honroso do templo?

Você sabia que o Bispo pregava sentado, ex cathedra, numa posição em que o sol resplandecia em sua face enquanto ele falava à congregação, pois Constantino, mesmo após a sua conversão ao Cristianismo, jamais deixou de ser um adorador do deus sol?

Você sabia que o atual modelo hierárquico do Cristianismo, que distingue clero e laicato, teve origem e ou foi profundamente afetado pela arquitetura original dos templos do período Constantino?

Você sabia que Jesus não fundou o Cristianismo, e que o que chamamos hoje de Cristianismo é uma construção religiosa humana, feita pelos seguidores de Jesus ao longo de mais de dois mil anos de história?

Você sabia que o que chamamos hoje de Cristianismo está profundamente afetado por pelo menos três grandes eras: a era de Constantino, a era da Reforma Protestante e a era dos Avivamentos na Inglaterra e nos Estados Unidos?

Você sabia que é praticamente impossível saber a distância que existe entre o que Jesus tinha em mente quando declarou que edificaria a sua ekklesia e o que temos hoje como Cristianismo Católico Romano, Protestante, Ortodoxo, Pentecostal, Neopentecostal e Pseudopentecostal?

Você sabia que os primeiros cristãos se preocuparam em relatar as intenções originais de Jesus com vistas a estender seu movimento até os confins da terra? Você sabia que este relato está registrado no Novo Testamento, mais precisamente nos Evangelhos e no livro de Atos dos Apóstolos?

Você sabia que o terceiro evangelho, Evangelho Segundo Lucas, e o livro dos Atos deveriam formar no princípio uma só obra, que hoje chamaríamos de “História das origens cristãs”?

Você sabia que os livros foram separados quando os cristãos desejaram possuir os quatro evangelhos num mesmo códice, e que isso aconteceu por volta de 150 d.C.?

Você sabia que o título “Atos dos Apóstolos” surgiu nessa época, segundo costume da literatura helenística, que já possuía entre outros os “Atos de Anibal” e os “Atos de Alexandre”?

Nesse emaranhado de coisas que eu não sabia, três coisas eu sei.

A primeira é que a crítica que o mundo secular faz ao Cristianismo institucional tem sérios fundamentos, ou como disse Tony Campolo: “Os inimigos estão parcialmente certos”.

A segunda coisa que sei é que nesta Babel que vem se tornando o movimento evangélico brasileiro, está cada vez mais difícil identificar a essência do Evangelho de Jesus Cristo, nosso Senhor.

A terceira coisa que sei é que vale a pena perguntar aos primeiros cristãos o que eles entenderam a respeito de Jesus, sua mensagem, sua proposta de vida e suas intenções originais.

Vale a pena voltar à Bíblia[Escritura Sagrada]. Não há outra fonte segura de informação e formação espiritual, senão a Bíblia Sagrada[Escritura Sagrada], especialmente o Novo Testamento.

Fonte: http://www.irmaos.com/artigos/?id=3099

[Nota]: Existem muitas outras coisas que não sabemos, o nosso erro é o comodismo de não estudarmos a Palavra de Deus para sabermos discernir a verdade de heresias impostas pelo homem.

Hoje o evangelho que estamos vivendo é um reflexo deste desleixo deixado por nós mesmos, já que na Palavra somos advertidos: “Errais em não conhecer as escrituras e nem o poder de Deus”. (Mateus 22:29). “O meu povo é destruído por lhe faltar conhecimento” (Oséias4:6).

Ciclo Solar: Cientistas prevêm um dos mais intensos ciclos solares e suas consequências

Posted in Crise, Nova Ordem Mundial by Blog Juízo Final on 16/08/2010

Desde a época de Galileu, os astrônomos contam o número de manchas solares. Dessas observações puderam constatar que a cada 11 anos o nível da atividade solar aumentava e diminuia.

Outra observação, feita há pelo menos dois séculos, é que quanto maior era o número de manchas solares, mais erupções eram observadas na superfície do astro-rei e maiores eram as pertubações magnéticas causadas aqui na Terra.

Para facilitar os estudos, convencionou-se chamar este período de 11 anos, de ciclo solar.Quando a rajada de uma erupção solar atinge a Terra, o campo magnético do planeta treme.

Quando esse tremor é forte o suficiente, é chamado de tempestade geomagnética. Nos casos extremos causa quedas de energia elétrica e faz com que instrumentos de navegação apontem em direção errada. As auroras boreais e austrais são o lado mais belo das tempestades.

2010 a 2013

Atualmente estamos deixando o ciclo solar 23 e segundo as últimas previsões solares, o próximo ciclo atingirá seu pico de maior intensidade entre 2010 a 2013 e poderá ser um dos mais intensos desde que os registros começaram a ser feitos, há mais de 400 anos. A informação é do físico David Hathaway, ligado ao Centro Espacial Marshall, da Nasa.

A previsão, apresentada por Hathaway e seu colega Robert Wilson perante a União Geofísica Americana, está baseada em dados históricos das tempestades solares.

Hathaway e Wilson estudaram dados de atividades geomagnética registrados nos últimos 150 anos e segundo os cientistas, os valoresregistrados permitem inferir como será o nível da atividade geomagnética para os próximos 6 a 8 anos. A figura abaixo ilustra a análise.

No gráfico, as curvas em preto são os ciclos solares, a amplitude é o número de manchas solares. As curvas em vermelho são os índices geomagnéticos, especificamente o Índice de Variabilidade Entre-horários, conhecido como IHV. Segundo Hathaway, os índices são derivados de dados registrados por magnetômetros em dois pontos opostos do planeta, um deles na Inglaterra e outro na Austrália, e vêm sendo coletados desde 1868.A correlação entre o número de manchas solares versus o IHV, sugere o IHV para os próximos 6 anos. “Nós não sabemos como essa matemática de correlação funciona. Ainda é um mistério. Mas que funciona, funciona”, diz Hathaway.

De acordo com a análise proposta, o próximo ciclo solar atingirá seu máximo em 2010, com uma quantidade de manchas solares de aproximadamente 160. Isso deverá fazer deste ciclo o mais intenso dos últimos 50 anos, e um dos mais ativos já registrados.

Ciclo Solar

O Ciclo Solar é a variação de intensidade do vento solar e do campo magnético solar. Estudos de Heliosismologia comprovaram a existência de “vibrações solares”, cuja freqüência cresce com o aumento da atividade solar, acompanhando o ciclo solar que dura em média de 11 anos com mudança no ritmo das erupções, além da movimentação das estruturas magnéticas em direção aos pólos solares. Tais mudanças resultam em ciclos de aumento da atividade geomagnética da Terra e da oscilação da temperatura do plasma ionosférico na estratosfera de nosso planeta.

Prejuízos

Anualmente as explosões solares são responsáveis por aproximadamente 1 bilhão de dólares em prejuízos e quem mais sofre com essas perdas são as concessionárias de energia elétrica e equipamentos de satélites, que por estarem em órbita ,não recebem a proteção da camadas mais altas da atmosfera, que bloqueiam as partículas solares, principalmente os raios-x.

Explosão Solar

Também chamada de erupção, flare ou rajada, é uma explosão que acontece quando uma gigantesca quantidade de energia armazenada em campos magnéticos, geralmente acima das manchas solares, é repentinamente liberada.

Os “flares” produzem uma enorme emissão de radiação que se espalha por todo o espectro eletromagnético, e se propaga desde a região das ondas de rádio até a região dos raios X e raios gama. Como conseqüência temos as chamadas Ejeções de Massa Coronal, enormes bolhas de gases ionizados com até 10 bilhões de toneladas, que são lançadas no espaço a velocidades que superam facilmente a marca de um milhão de quilômetros por hora.

A previsão apresentada por Hathaway e sua equipe concorda com os modelos apresentados por Mausumi Dikpati, do Centro Nacional para Pesquisas Atmosféricas, em Boulder, Colorado, que combinam dados observacionais do Sol e sofisiticados modelos numéricos que estudam o interior do Sol.

A temperatura da terra depende do sol, que emite radiação em direção ao planeta. Esta radiação é a radiação solar, que em parte é refletida para o espaço e o restante é absorvido pela terra em forma de calor. Esta energia não chega à terra de maneira uniforme, apesar do sol ser uma estrela de classe G e ser muito estável, essa energia aumenta cerca de 10% a cada um bilhão de anos, ou seja, no início da vida na terra, quase quatro bilhões de anos atrás, a energia do sol era em torno de 70% da atual.

Outro tipo de variação da radiação solar ocorre em decorrência dos ciclos solares, que são mais importantes que a primeira, no que diz respeito à mudança do clima terrestre, visto que essa variação é uma oscilação e não somente um crescente e ocorre em períodos mais curtos.

El Niño e El Niña

o ciclo solar interage com a estratosfera e a superfície do ocenao e dessa forma cria padrões meterológicos e alteram o clima.

Os compostos químicos da estratosfera (parte superior da atmosfera) e a temperatura do oceano Pacífico são influenciadas pelo auge da atividade solar e pelos movimentos do ar. Daí as chuvas e ventos mais intensos, assim como alterações na temperatura do mar, nas regiões tropicais, acabando por influenciar o resto do mundo, como o El Niño.

Os fenômenos “El Niño” e “La Niña” são mudanças na temperatura da água de partes do Oceano Pacífico. A mudança da temperatura das águas influencia a intensidade dos Ventos Alísios que pode fazer com que massas de água quente, e massas de ar também, se desloquem no Pacífico de forma diferente dos registros das médias históricas.

As Variações de intensidade dos Ventos Alísios influenciam a pressão atmosférica no oceano, afetando vários fenômenos climáticos em todo o mundo.

Quando o Sol atinge um máximo de atividade, aque­ce as regiões livres de nuvens no Oceano Pacífico o suficiente para aumentar a eva­po­ração, intensificando as chuvas tropicais e os ventos alisios,e resfriando o Pacífico Leste nos trópicos.

Há anos os cientistas sabem que as variações solares de longo prazo afetam cer­tos padrões climáticos, inclusive secas e temperaturas regionais. Porém estabe­lecer uma ligação física entre o ciclo solar de uma década e os padrões climá­ticos, se mostrou uma tarefa difícil. Uma das razões para isso é que só nos últi­mos anos os modelos computadorizados se tornaram capazes de simular de ma­nei­ra realística os processos associados com o aquecimento e resfriamento das águas do Pacífico Tropical associados com El Niño e La Niña. De posse deste novo modelo, os cientistas podem reproduzir o comportamento do Sol no último século e verificar como ele afeta o Pacífico.

Para estressar essas conexões, por vezes sutis, entre o Sol e a Terra, os cientistas analisaram as temperaturas da superfície do mar de 1890 a 2006. Então, usaram dois modelos de computador do NCAR para simular a resposta dos oceanos a essas mudanças na emissão do Sol. Eles descobriram que, quando as emissões do Sol atingem um pico, a pequena quantidade extra de energia solar, ao longo de vários anos, causa um pequeno aumento no aquecimento local da atmosfera, especialmente nas regiões do Pacífico tropical e sub-tropical, onde normalmente a cobertura de nuvens é escassa.

Referências:

http://ambiente.kazulo.pt/9874/como-o-ciclo-solar-influencia-o-clima.htm
http://instinctalternative.blogspot.com/2009/12/impacto-da-mudanca-climatica.html
http://scienceblogs.com.br/chivononpo/2009/07/ciclos_solares_e_o_clima_na_te.php
http://www.py3mp.com/?p=1860

Curiosidade: Mapa de explosões nucleares, no período de 1945 a 1998

Posted in 3ª Guerra Mundial, Anticristo by Blog Juízo Final on 15/08/2010

O artista japonês Isao Hashimoto fez um mapa animado mostrando a 2053 explosões nucleares que ocorreram em todo o mundo durante o século 20, no perído de 1945-1998, a partir das detonações em Alamogordo, Hiroshima e Nagasaki em 1945, para os testes realizados pela Índia e pelo Paquistão em 1998 .

O mês e o ano são exibidos no canto superior direito, eo número de explosões nucleares de cada país aparecem ao lado das bandeiras nas margens. O total é exibido no canto inferior direito.

Os números revelam que, em média, uma explosão nuclear ocorreu a cada 9,6 dias durante o período de 54 anos, com a maior actividade em 1958 e 1962.

O mapa de tempo não inclui os dois testes nucleares realizados pela Coréia do Norte em outubro de 2006 e maio de 2009, nem inclui dezenas de ensaios nucleares subcrítico (explosões que não produzem uma reação em cadeia sustentada nuclear), realizado nos últimos anos por os EUA / Reino Unido e Rússia.

Fonte: http://pinktentacle.com/2010/08/animated-map-of-nuclear-explosions-1945-1998/

Nova Ordem Mundial: [Codex Alimentarius] Você está sendo envenenado

Posted in Anticristo, Nova Ordem Mundial by Blog Juízo Final on 03/08/2010

A partir de 01 de Janeiro de 2010 entrou em vigor o polêmico Codex Alimentarius. Mas você não sabe exatamente o que é isso, pois não? Pois é exatamente o que eles querem!

O Codex Alimentarius é um Programa Conjunto da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação – FAO e da Organização Mundial da Saúde – OMS.

Trata-se de um fórum internacional de normalização sobre alimentos – sejam estes processados, semiprocessados ou crus – criado em 1962, e suas normas têm como finalidade “proteger a saúde da população”, assegurando práticas equitativas no comércio e manuseio regional e internacional de alimentos.

Traduzido em miúdos, o Codex vai trazer severas restrições à nossa já precária LIBERDADE de escolha em termos de alimentação e prevenção/tratamento de doenças. Sem falar que considerações mais complexas podem ser feitas sobre o impacto dessas medidas no controle populational do planeta e na concentração de riquezas.

Objetivos

Os principais pontos que representará essa complexa rede de regulamentações, que, quando implementadas, serão mandatórias para todos os países membros, cerca de 170 – o que inclui o Brasil:

  • Suplementos nutricionais, como vitaminas, por exemplo, não poderão mais ser vendidos para uso profilático ou curativo de doenças; potências de qualquer suplemento liberado, estarão limitadas a dosagens extremamente baixas, sub-dosagens, na verdade, e somente as empresas farmacêuticas terão autorização para produzir e vender esses produtos (preferencialmente na sua forma sintética) em potências mais altas – no caso da vitamina C, por exemplo, qualquer coisa acima de 200mg será considerada “alta”, e será necessária uma receita médica para se poder comprá-la.
  • Alimentos comuns, como o alho ou o hortelã, por exemplo, poderão ser classificados como drogas, que somente as empresas farmacêuticas poderão regulamentar e vender. Qualquer alimento ou bebida com qualquer possível efeito terapêutico poderá ser considerado uma droga.
  • Alimentos geneticamente modificados não precisarão ser identificados como tal, e não saberemos a origem do que estamos comendo; a criação de animais geneticamente modificados também já consta dessa mesma pauta, ou seja, vai ser difícil saber que bicho se está comendo.
  • Aditivos alimentares, a maioria sintéticos, como o aspartame, por exemplo, serão aprovados para consumo sem que se tenha conhecimento dos efeitos a longo prazo de cada um nem das interações entre eles a curto e longo prazos.
  • Todos os animais destinados ao consumo humano, deverão receber hormônios e antibióticos como medida profilática; sabe aquele “gado orgânico”, criado solto em pastagens e tratado só com homeopatia?… nunca mais!
  • Todos os alimentos de origem vegetal deverão ser irradiados antes de serem liberados para consumo: frutas, verduras, legumes, nozes… nada mais chegará à nossa mesa como a natureza fez – tem gente brincando de Deus, mas desta vez não para criar, e sim para DEScriar.
  • Os produtos “orgânicos” estarão completamente descaracterizados, pois terão seu padrão de pureza reduzido a níveis passíveis de atender às necessidades de produção em grande escala; alguns aditivos químicos e várias formas de processamento serão permitidos; tampouco haverá obrigatoriedade por parte do produtor de informar que produtos usou e em que quantidades – rótulos não serão obrigatórios na era pós-Codex.
  • Para a agricultura convencional, os níveis residuais aceitáveis de pesticidas e herbicidas estarão liberados em níveis que ultrapassam em muito os atuais limites de segurança! Em outras palavras, estarão envenenando nossa comida.

Resumo dos Objetivos

Os objetivos do Codex Alimentarius incluem:

  1. Globalização das normas.
  2. Abolição da agricultura/criação orgânica.
  3. Introdução de alimentos geneticamente modificados.
  4. Remoção da necessidade de rótulos explicativos de qualquer espécie.
  5. Restrição de todos os remédios naturais, que serão classificados como drogas.

Estes vídeos  mostram de modo bem apropriado o que está sendo feito

Alex Jones expõe esse terrivel segredo que está bem diante de nossos olhos e jamais poderemos ver se não sairmos do “convencional”.

Note que ao final do vídeo os comentários de Jones não correspondem com a realidade brasileira, pois aqui não temos opção praticamente.

Referências:

http://alimentacaoviva.blogspot.com/2008/11/codex-alimentarius-os-ltimos-dias-de.html

http://revelatti.blogspot.com/2010/08/alex-jones-alimentos-o-ultimo-segredo.html

América do Sul: Rumores de guerra e domínio pelos EUA e a OTAN

Posted in 3ª Guerra Mundial, Nova Ordem Mundial by Blog Juízo Final on 01/08/2010

Enrique LaColla é escritor, jornalista e professor. Desde 1962 até 1975 membro dos Serviços de Radiodifusão da Universidade Nacional de Cordoba, Argentina.

Entre 1975 e 2000 foi membro da equipa de La Voz del Interior, onde continuou a trabalhar assiduamente até Abril de 2008.

Foi galardoado em 2005 com o Prémio Consagración Letras de Córdoba, a mais alta distinção concedida pela Província ao mérito literário.
No próprio blog, Perspectivas, reflecte acerca do relacionamento entre Estados Unidos e América Central e do Sul.  São reflexões amargas e preocupantes.

O Calcanhar de Ferro

O título do belo romance de Jack London é cada vez mais actual, num presente marcado pela recusa dos EUA em aceitar os limites do próprio poder e da sua avançada na realização da dominação global.

Com isso em mente devemos olhar para a divisão entre Colômbia e Venezuela e as vicissitudes da atual política latino-americana.

Os EUA reforçam a própria presença militar no Oriente Médio, rumores relacionados com o fato de que a Arábia Saudita permite a passagem de aviões israelitas sobre o seu território com a missão de bombardear o Irã; os membros permanentes do Conselho de Segurança, apertando as linha e concordam sobra a necessidade de reforçar as sanções contra esse último País; Henry Kissinger desaconselha de acompanhar a linha anunciada pelo presidente Obama para retirar tropas do Afeganistão no prazo de doze meses.

Planear uma tal coisa, de acordo com o ex-secretário de Estado, significa a criação de um dispositivo para a derrota, uma vez que, para atingir os objetivos da aliança ocidental na área, o público deve estar preparado para enfrentar uma longa guerra. Mais palavras, menos palavras, o próprio conceito de “guerra infinita” preconizada por George W. Bush. Em última análise, trata-se de criar num contexto “previsível” uma situação de crise generalizada do sistema capitalista, contexto que assegure o controle das fontes de energia e uma implantação militar agressiva contra os poderes que poderiam ser transformados em elementos para compensar o poder militar e o controle dos mercados do Ocidente: a Rússia e, principalmente, China.

São dados preocupantes que falam da crescente instabilidade de um mundo atravessado pelos ventos da crise econômica e pelo dinamismo militar dos EUA. Os desastres previstos com este curso no futuro não parecem relevantes para quem planeia ou para os economistas, preocupados em manter o status quo, mesmo que para isso seja necessário apertar o torniquete duma situação já saturada de vapores explosivos .

América Central e América do Sul

Neste quadro obscuro encaixa-se outro elemento que nos toca de perto porque confirma a constatação de que os Estados Unidos voltaram a atacar a América Central e do Sul. A autorização que o Congresso e o Governo da Costa Rica têm entregue a Washington para usar o País como um espaço aberto para a implantação substancial dos militares norte-americanos, é mais um dado que confirma a decisão do Pentágono em consolidar a sua posição no istmo da América Central e nas zonas circundantes. Isto implica que os EUA tencionam voltar a acompanhar ativamente a situação na parte sul do Hemisfério Ocidental.

Movimento Centro-Esquerda Sulamericano

Recentemente, por causa dos compromissos em outras partes do mundo, os EUA tinha deixado um pouco de lado essa linha, mas agora o movimento do centro-esquerda, que surgiram no subcontinente durante este tempo, pode começar a enfrentar dificuldades ainda maior do que as enfrentadas no passado.

Nem o Departamento de Estado nem o Pentágono, nem a CIA foram capazes de engolir esses governos, embora ao longo dum certo período tivessem sido mais conciliantes. É sabido que a Casa Branca reserva sempre uma grande atenção às sugestões que vêm dos serviços da diplomacia, intelligence e poder militar. Agora há a sensação de que chegou o momento para Washington começar a “pôr ordem” nesta parte do mundo, com veemência particular nas Caraíbas. Porque, se o que está em preparação no Oriente Médio finalmente acontecesse, ou até transformar-se em algo de ainda maior, seria conveniente para Washington poder confiar numa retaguarda “tranquilizada”, ou pelo menos em condições susceptíveis de ser forçada a obediência com ameaças ou com uso da força militar.

Nestas bandas não haverá tumultos em massa, mas algumas das mais duras áreas do establishment político-militar norte-americano preferem a subordinação automática aos pedidos de diálogo entre Estados soberanos. Em Washington, já não era vista bem (Hillary Clinton dixit) a manobra brilhante de Lula para propor-se como mediador no conflito com o Irã.

Quarta Frota dos EUA

Mas voltando ao assunto principal, a mão pesada do império faz-se sentir. A reativação da Quarta Frota, o golpe em Honduras, as sete ou mais bases dos EUA hospedadas na Colômbia de Uribe, as manobras contra Chávez, a zona franca que a Costa Rica cedeu ao Exército dos Estados Unidos, são os sinais muito eloquentes. Neste caso,segundo Atilio Borón, dezenas de navios de guerra com equipamentos e helicópteros, além de cerca de 7.000 fuzileiros navais, estão agora começando a desembarcar ou a transitar livremente neste País latino-americano, com a paz extrema resultantes da aceitação do Costa Rica do direito de extraterritorialidade em matéria judicial, que irá beneficiar os hospedes da América do Norte.

A razão dada para esta como para a implementação de forças maiores, é a luta contra os cartéis da droga. Ridícula desculpa, pois nesse caso não prestam nem os aviões, nem os tanques, nem os milhares de soldados para realizar um trabalho que pode ser tratado pelas forças especiais. O objectivo, todos sabemos, é nada mais do que militarizar a região latino-americana para garantir o controlo total da área.

A Divisão dos Blocos

A América Latina já está dividida entre  Países e governos cheios de pretensões que apontam para uma autonomia regional integrada, como Argentina, Brasil e Venezuela, e outros, incluindo Colômbia, Peru, Panamá, Chile, México, Honduras e Costa Rica, que reafirmam os laços com os Estados Unidos.

Temos de lidar com este cenário e preparar, mentalmente e na prática, para resistir ao mau tempo que vai durar certamente mais dum inverno.

Bases Militares da OTAN na América do Sul

Este artigo apresenta uma visão mais abrangente da coordenação militar dos EUA e do Reino Unido na região sul-americana. Nos últimos dois anos, os analistas locais destacaram a presença norte-americana, sem nunca mencionar uma das maiores bases militares pertencente aos EUA (Southern Command), e sem reconhecer o papel e a complementaridade que as mesmas têm numa perspectiva histórica e factual em relação à presença militar britânica na nossa terra e nas nossas águas.

Neste primeiro trabalho, apresentamos apenas a localização de todas as bases (atuais e históricas), deixando para sucessivas ilustrações a análise específica do Conselho de Segurança da UNASUL [a zona de livre comercio da América do Sul, NDT], a análise dos Ministérios da Defesa da região, os seus principais sucessos e fracassos.

Tomando como ponto de partida a pesquisa realizada pela equipa jornalística da Telesur e com a informação oficial do Reino Unido e do Comando Sul dos Estados Unidos, desenvolvi o seguinte diagrama que mostra todas as bases militares da OTAN, atualmente presentes na América do Sul.

Base Militar

Localização

Invasor

Órgão Militar Superior

Malvine

Argentina

GB

OTAN

George

Argentina

GB

OTAN

Sandwich

Argentina

GB

OTAN

Tristán de Cuña

Oceano Atlantico

GB

OTAN

Santa Helena

Oceano Atlantico

GB

OTAN

Ascensión

Oceano Atlantico

GB

OTAN

Estigarribia

Paraguay

USA

OTAN

Iquitos e Nanay

Perú

USA

OTAN

Três Esquinas

Colômbia

USA

OTAN

Larandia

Colômbia

USA

OTAN

Aplay

Colômbia

USA

OTAN

Arauca

Colômbia

USA

OTAN

Tolemaida

Colômbia

USA

OTAN

Palanquero

Colômbia

USA

OTAN

Malambo

Colômbia

USA

OTAN

Aruba

Antílhas

USA

OTAN

Curaçao

Antilhas

USA

OTAN

Roosevelt

Puerto Rico

USA

OTAN

Liberia

Costa Rica

USA

OTAN

Guantánamo

Cuba

USA

OTAN

Comalapa

El Salvador

USA

OTAN

Soto Cano

Honduras

USA

OTAN

IV flotta

Oceano Atlantico y Pacifico

USA

OTAN

.

A OTAN é um tratado de armamentos para a proteção e a cooperação político-militar-econômica entre os Estados-Membros. Foi criada no clima da Guerra Fria e o seu homologo oriental é o Tratado de Varsóvia. A OTAN é completada pelos Países da Europa Ocidental, os Estados Unidos e o Canadá. Esta organização militar multilateral nos últimos anos tem concentrado os próprios recursos para fazer incursões militares em Países não membros. Lembramos que o apoio americano ao Reino Unido em 1982 teve origem daqui.

Brasil como alvo da vigilância da Quarta Frota

É importante observar com atenção o esquema das bases da OTAN, pois a sua visão parcial corta a análise, o foco de atenção e também porque constitui o fator mais importante, corta na direção das recomendações sobre as políticas de defesa Regional. Por exemplo, aqueles que se concentram nas novas bases americanas na Colômbia, observam de forma extremamente clara que, com a política de comunicação social da América do Norte, as bases têm como objetivo o Venezuela. Outros nomeadamente aqueles que complementam esta análise com a localização da Quarta Frota, porém, indicam que o centro é o Brasil.

Em qualquer caso, tanto a liderança venezuelana como a do Brasil estão a trabalhar para melhorar e atualizar os próprios equipamentos, navios e despesas militares para adequar-se às circunstâncias e às bases que os cercam. Mas outros Países da região não devem ficar satisfeitos com esta análise, em particular a nossa república Argentina, pensando que só os citados possam ser alvos dum ataque. Como observa Lacolla (“Do Afeganistão à Malvinas”), estão a explorar os nossos recursos, principalmente o petróleo, sucessivamente terão como objetivo a água. Mas atualmente, a maioria das análises geopolíticas, incluindo as do Conselho de Defesa da UNASUL, têm ignorado nos seus estudos sobre a região as bases militares no Reino Unido.

O tipo de configuração que o evento exige não só serve para considerar-las, mas também para saber qual é a coordenação histórica e factual do Reino Unido, juntamente com as dos Estados Unidos. Para esta região, uma análise adequada não deve tratar exclusivamente das bases na Colômbia, mas continuar com os mesmos olhos e observar todas as bases militares da OTAN que, é claro, têm um alvo. O que não é tão pequeno como podem ser dois Países e algumas ilhas com um pouco de petróleo. O alvo é a América do Sul (e os seus recursos), mas a miopia dos dirigentes ou sectores supostamente representativos da nossa sociedade que ignoram as advertências pode tornar-se muito caro em curto prazo.

Por seu lado, o Comando Sul, mais conhecido como a Quarta frota, complementa as anteriores enclaves imperialista e é uma espécie de mega base móvel, é uma complexa combinação de porta-aviões e navios de guerra em torno da América do Sul. No mapa sobre as bases, outro mapa é sobreposto com as palavras “Southern Command Area Focus”; é o mapa oficial do Senado dos Estados Unidos, é o local onde navegam (em águas internacionais, mas não sempre), os navios de guerra do País de Obama.

A Quarta Frota teve a sua origem durante a Guerra Fria para impedir a ideologia antiimperialista que floresce como a eritrina na nossa terra, porque reação natural de autodefesa de qualquer sociedade atacada. Ou seja, de acordo com a margem de cada apresentação diplomática, estes navios exercem a função de repressão de qualquer manifestação antiimperialista na região.

O que deve ficar claro é que alguns Países latino-americanos estão a tomar medidas para salvaguardar não só os próprios recursos, mas também para proteger-se.

Fontes:

http://geopoliticaargentina.wordpress.com/bases-militares-de-la-otan/

http://informacaoincorrecta.blogspot.com/2010/07/nato-e-america-do-sul.html